domingo, 13 de janeiro de 2013

EVOLUCIONISMO, CRIACIONISMO X HOMOSSEXUALISMO


Um detalhe em comum entre o Darwinismo e o Cristianismo é a forma como os dois, em seus princípios mostram a impossibilidade do homossexualismo ser visto como algo normal ou natural. 

No artigo DARWIN O HOMEM QUE MATOU DEUS publicado em julho de 2007 PELA REVISTA Superinteressante, e que foi incluído em um livro comemorativo dos 25 anos, com as 25 melhores reportagens, no tópico o SENTIDO DA VIDA (1) lê-se: “genes mutantes e as pressões da seleção natural fizeram essa obra esplêndida que você vê no espelho todas as manhãs. Uma caminhada e tanto. Mas uma coisa não mudou desde os tempos da 1ª molécula replicadora. Aquele objetivo irracional continua intacto: tudo que os genes querem é fazer cópias de si mesmos. Foi para isso que eles criaram nosso corpo e nossa mente. E, agora nos comandam lá de dentro por controle remoto, para que trabalhemos em nome de sua preservação. A razão da existência? Lutar para que os genes façam cópias deles mesmo do melhor jeito possível.”

Segundo os Darwinistas (2) “do ponto de vista dos nossos genes, ainda estamos no Paleolítico, uma época sem faculdade, carreira, dinheiro ou anticoncepcionais. Uma época que só duas coisas contavam: SEXO E VIOLÊNCIA. Se ainda sobrou alguma coisa que você queria saber sobre sexo, mas não tinha coragem de perguntar, talvez a resposta dos evolucionistas sirva: - O sexo é a forma que os genes arrumaram para melhorar as defesas da sua máquina de sobrevivência.  
- Por exemplo: se você tem um sistema imunológico que não sabe se defender de alguns vírus, e tudo que você sabe fazer para reproduzir são cópias de si mesmo, como aquelas primeiras células, seus rebentos vão ter esse problema, e o clã inteiro vai morrer no caso de um ataque. Agora, se você combina os seus genes com o de um ser imune ao tal vírus, a história é outra: teoricamente, só uma parte do clã morreria. E o resto continuaria passando seus genes adiante como se nada tivesse acontecido. Ao criar esse tipo inovador de reprodução, a seleção natural tratou de dividir entre dois tipos de funcionários especializados. Um teria a função de tentar por os seus genes em qualquer máquina que cruzasse seu caminho. Já o outro selecionaria entre esses primeiros quais têm os melhores genes para compartilhar, e cuidaria da cria que os dois tivessem juntos, ou seja, o mundo se dividia entre machos e fêmeas. Enfim, ao ganhar o poder de decidir quais machos terão filhos e quais ficarão na prateleira, as fêmeas assumiram o controle da evolução na maioria das espécies. E, para a psicologia evolutiva, é isso que determina aquilo que mais importa na vida: a propagação dos nossos genes, coisa também conhecida como vida afetiva sexual.
Os Darwinistas também afirmam (3) que: “se você ama alguém quer ter filhos com essa pessoa, quer colocar seus replicadores ali e se esfolar para cuidar dos rebentos. Aí, para o futuro dos genes, sua vida só faz sentido se aquela pessoa existir. E o sentimento é tão poderoso que parece eterno enquanto dura. Outra coisa que determina a hierarquia entre parentes é a expectativa de que eles se reproduzam. Os Neodarwinistas (4) explicam que o egoísmo dos genes é que faz com que as pessoas sintam algo por seus irmãos e filhos que normalmente se chama de amor, mas que na realidade são os genes que vêem neles maneiras de se perpetuar.”
Estudando com atenção os primeiros capítulos do livro de Gênesis, não resta qualquer tipo de dúvida sobre o princípio pelo qual Deus criou e conserva todas as coisas inclusive a humanidade - “Disse DEUS: Produza a terra relva, ervas que dêem sementes e árvores frutíferas que, segundo sua espécie produza fruto que tenham em si, a sua semente, sobre a terra. Frutificai e multiplicai-vos.”
O princípio da reprodução e da multiplicação é a base do Criacionismo, o que não é negado pelo Evolucionismo, ao contrário é exaltado, apenas tiram o autor do evento, mas não mudam a música nem o ritmo.
Diante disto pode-se afirmar que o Homossexualismo é algo incoerente e antinatural, tanto para ateus quanto para religiosos, pois ele simplesmente impede o ciclo reprodutivo.
 É contrário à expectativa dos “genes evolucionistas” em se perpetuarem, e é totalmente contrário à ordem de “frutificai-vos” determinada por Deus.

OBS: Muito antes de qualquer discussão se o Homossexualismo é pecado ou não, será sempre bom ter em mente que ele é a maior prova da rebeldia do homem em relação à Deus. E uma pedra no sapato dos Darwinistas.

(1)- Paginas 180 e 181 do livro: as 25 melhores reportagens da Superinteressante.
(2)- Pagina 181. Idem.
(3)- Pagina 184 e 185. Idem.
(4)- Pagina 184. Idem.
Por: Fabio S. Faria
Em 13/01/2013



2 comentários:

Blogger Template by Clairvo