domingo, 25 de dezembro de 2011

"AUTO BIOGRAFIA DO PECADO"


Em cada lugar do Planeta Terra onde houver presença humana há um ‘caminhante invisível’ vestido com elegância. Na cabeça um chapéu; na mão uma viola; nos lábios os versos que narram sua longa historia:
“Eu nasci há milhares de anos atrás, e não há nada nesse mundo no qual eu não esteja envolvido demais”.
Do jardim do Éden, a Adão e Eva expulsei. Em Caim, a Abel matei;  na terra o dilúvio provoquei. Se Noé achou graça aos olhos do Senhor,  aos meus também. Como bom menino, na arca com sua família entrei. No tempo de confinamento, em momento algum desanimei, e,  quando contentes todos da arca saíram, Deus VIU que no coração de cada um dos oito sobreviventes, eu estava presente. Em dezenas, centenas, milhares de anos, da minha missão jamais descuidei; em todas concepções minha marca deixei; em todos os lares habitei, e a cada um de seus ocupantes dominei.
“Eu nasci há milhares de anos atrás, e não há fato nesse mundo que eu não tenha participado demais”.
A Abraão, a Isaque e a Jacó; no Egito a Faraó; a Moisés e ao povo hebreu. Os que cruzaram o Mar Vermelho; os que habitaram nos montes, vales e planícies; por todos os recantos da terra a cada homem acompanhei. A Balaão, Sansão e Gideão, aos heteus e jebuseus; aos profetas, aos circuncisos e incircuncisos, a cada um escravizei. Reinei com Saul, Davi e Salomão; a mesa de cada rei de Israel me sentei. Na Assíria, na Babilônia, nas terras do norte, e do sul; nas extremidades do oriente e do ocidente, por todos os lugares habitados  passei e, como bom filho muitos corações ao meu pai Satanás entreguei. Jovens e velhos, homens e mulheres, ricos e pobres, a ninguém poupei.
“Eu nasci há milhares de anos atrás, e não há ninguém nesse mundo que não me conheça demais”.
Um dia, um fato estranho aconteceu. Um homem chamado Jesus Cristo, ao ser pregado na cruz,  ao meu domínio venceu. Sobre papai e seu exército de demônios na mesma cruz triunfou. Ele morreu, mas no sangue derramado, o escrito de divida existente contra todos quitou. Do tumulo ao terceiro dia ressuscitou e de minha mão as chaves da prisão arrebatou. As celas, Ele abriu e, para a liberdade aos cativos chamou. Houve alvoroço, mas ao convite uma multidão recusou e comigo ficou. O cristianismo cresceu, e, junto a ele permaneci.
Em dois milênios a muitos perdi, mas, mesmo assim muitas revoltas  provoquei;  inúmeras  moléstias criei;  perdi a conta dos que escravizei.
À época da Reforma de Lutero e Calvino os piores dias vivi. Fui espezinhado, massacrado e ferozmente combatido; mas, no advento do iluminismo me rejuvenesci. Nos ‘ismos’ que foram criados (deísmo, espiritismo, Darwinismo etc) fui revitalizado; e, nas novas seitas do século XIX o Novo Mundo conquistei.
“Eu nasci há milhares de anos atrás, e por todos povos desse mundo sou amado demais”.
A bordo dos inventos do século XX, fui transportado e transformado; novas técnicas adquiri e o status de mestre alcancei. Em um mundo onde duas pessoas do mesmo sexo são chamadas de casal; onde terroristas e sequestradores são considerados ativistas políticos, e onde o prefixo TRI deixou de ser três vezes seguidas, eu também uma nova identidade recebi. De agressor e transgressor dos princípios de Deus, como em milênios fui taxado, no século XX como ações pecaminosas por influência do mal passei a ser identificado. Com sabedoria fiz com que a culpa de toda a mazela por mim praticada, sobre os ombros de alguém que está preso e condenado fosse colocada. Com ares de ‘bom rapaz’ incito a todos dizerem que a culpa é de meu amado pai Satanás.
“Eu nasci há milhares de anos atrás, e as ações de todos nesse mundo influencio demais”.
Para não correr riscos de perseguição, publicamente procuro não me expor. Suave, mas, com tenacidade calmamente ocupo o espaço disponível em cada coração.
Na época da cibernética e do computador, onde o ter importa mais que o ser, sou a mentira da pregação triunfalista e antropocêntrica feita em nome de Jesus. Sou a vaidade dos que se preocupam com casas e templos luxuosos. Sou o egocentrismo dos cristãos, que aos domingos se fecham entre  quatro paredes de um lugar o qual dizem ser a Casa de Deus, mas desconsideram as necessidades nas comunidades dos aflitos. Sou a hipocrisia do religioso que a cada domingo encastelado no templo faz mil juras de amor a Deus e ao próximo, mas no mundo atenta somente para a sua família carnal e seus próprios interesses. Sou o desamor dos que dão dinheiro às crianças que vigiam  carros nas calçadas da vida. Sou o cinismo dos que distribuem cestas básicas, e se vêem aptos a receber elogios. Sou o desejo material e temporal, o individualismo que obrigatoriamente está inserido no cardápio de todas as orações.
Por tudo isso, neste século XXI em meus lábios há um novo cântico:
“Na cruz, meu poder e domínio Jesus Cristo quebrou há dois mil anos atrás, mas até hoje por muitos cristãos sou praticado demais.
  AH! Se disserem que estou mentindo, tiro o meu chapéu”.         
            
  Fabio S. Faria

4 comentários:

domingo, 4 de dezembro de 2011

NO JARDIM DO ÉDEN: 'SEGUNDA PARTE'

                                                           ADÃO DISSE "SIM"!
Após imaginar por alguns instantes como seria a terra caso no Jardim do Éden, o primeiro Homem (Adão) houvesse dito "NÃO" abri os olhos e voltei à realidade. Nela, Adão disse "SIM"! E, por isso na Bíblia lê-se:
"A mulher viu que a arvore era boa ao apetite e formosa à vista, que  essa arvore era desejável para adquirir discernimento. Tomou-lhe do fruto e comeu. Deu-o também ao seu marido que com ela estava, e ele comeu"!.
A anuência participativa de Adão ao ato de sua mulher, além de ser uma rebeldia explícita a DEUS foi também um passaporte com direito a uma passagem só de IDA para um local, onde não só eles, mas, todos os seus descendentes seriam para sempre reféns do fruto dessa rebeldia.
A  partir do SIM do primeiro Homem, o mundo, todas as criaturas que nele existe, tudo aquilo que DEUS havia entregue aos cuidados desse homem foi colocado totalmente sob a direção e o comando do Pecado. O 'livre arbítrio' do homem deixou de ser uma livre escolha entre escolher o Bem ou o Mal, para se tornar a livre escolha entre um Mal maior e um Mal menor, ou seja, após a Queda o ser humano não tem capacidade para escolher ou realizar o que é de DEUS. A escolha de todos os homens naturais, sempre se situa entre o que lhe é Mais ou Menos conveniente.
 Está escrito na Bíblia:
"Sabemos que a Lei é espiritual, mas eu sou carnal vendido como escravo ao pecado. Realmente não consigo entender o que faço, pois, não pratico o que quero, mas faço o que detesto. Ora, se faço o que não quero, reconheço que a Lei é boa. Na realidade, não sou mais eu que pratico a ação, mas o pecado que habita em mim. Eu sei que o bem não mora em mim, isto é, na minha carne. Pois o querer o bem está ao meu alcance, não, porém o praticá-lo. Com efeito, não faço o bem que quero, mas pratico o mal que não quero. Ora, se faço o que não quero, já não sou eu que ajo, e sim o pecado que habita em mim"! (ROMANOS, 7. 14 a 20)
Alguns podem achar essa reflexão 'fantasiosa'; outros dirão que não possui validade, porém, partindo do pressuposto de que DEUS é o criador supremo do universo; que a Bíblia foi escrita por sua inspiração sendo, portanto sua 'Palavra Viva'; e, que ELE  é o único DEUS onipotente, onisciente e onipresente, pelo menos três coisas, tanto "alguns" quanto "outros" não poderão negar:
1- Que o apóstolo Paulo em Romanos 7.14 a 20, descreveu com precisão milimétrica a situação do homem normal e natural em sua plenitude. <<UM SER CARNAL VENDIDO AO PECADO, SEM CONDIÇÕES DE PRATICAR O BEM>>.
2- Que escravo não tem poder de escolha. Além da afirmação em Romanos, de que o homem foi vendido como escravo ao pecado, a Bíblia também diz na primeira carta do apostolo Pedro, que para ter liberdade esse homem precisa ser comprado pelo antigo dono. 
Nos versos 17 a 19 lê-se: "E se chamais de Pai aquele que com imparcialidade julga a cada um de acordo com as suas obras, comportai-vos com temor durante o tempo de vosso exílio. Pois sabeis que não foi com coisas perecíveis, isto é, com prata ou com ouro, que fostes resgatados da vida fútil que herdastes dos vossos pais, mas por sangue precioso, como de cordeiro sem defeitos e sem mácula, o sangue de Cristo".
3- Que o Pecado entrou no mundo pela rebeldia de Adão, e, esse Pecado teve um poder de destruição tão avassalador, que para reparar os danos, se fez necessário a vinda do próprio Deus em 'carne e osso'.
Portanto, a reflexão sobre o SIM e o NÃO de Adão, nos proporciona o entendimento de que se há promessa de Salvação é porque há condenação, e se há condenação é porque um Crime foi cometido. E, esse entendimento nos capacita calcular  toda a intensidade da violência do Crime [PECADO], assim como, dimensionar a grandeza e o valor da Salvação [GRAÇA] com uma precisão maior.
Por outro lado, ao não fazer a reflexão, o Crime [PECADO] sempre será considerado da forma como o entendemos hoje: "Uma manifestação de maldade do ser humano que ofende e transgride direitos do próximo. A simples quebra ou transgressão de alguns mandamentos da Lei de DEUS. Uma mera questão de moral e ética". 
Também, a Salvação [GRAÇA] da forma como entendemos hoje: "uma demonstração muito grande de amor  feita pelo Pai. Uma oferta vantajosa, tal como as empresas costumam fazer aos seus clientes inadimplentes --- confessem suas dívidas espontaneamente e vocês terão o perdão dos juros e a justificação do atraso das prestações ---. Uma proposta amorosa onde o Pai promete a realização dos desejos dos bonzinhos e bem comportados".
Refletir sobre a OPÇÃO de Adão é o primeiro passo para que se possa entender o real significado, assim como o PORQUÊ  de muitas coisas que nos afligem.
Não refletir sobre a OPÇÃO é uma boa forma de colaborar e, as vezes, até de participar da caminhada que muitos fazem alegres e saltitantes, pela estrada larga de mão única em direção ao Lago de Enxofre e Fogo Ardente, sem possibilidades de reparar que um pouco antes do "grande buraco" há um estreito e íngreme desvio sinalizado por uma pequena seta onde em letras pequenas está escrito: CAMINHO PARA O CÉU!


Fabio S. Faria.





1 comentários:

Blogger Template by Clairvo